só pra se misturar

máquinas espalham luzes,
no quarto escuro lotado,
revelam ilícitos copos
corpos em ondulação.
a única gota de álcool
na minha boca sua
e o gosto de limonada
você prova na garrafa
que seguro gelada e derrete
nas minhas mãos suadas
derrama outra gota sozinha
que desce e abre sua trilha,
só pra se misturar
às minhas mordidas famintas…
ah… sua saliva em outro lugar…

a noite, pela cintura
a noite, faz sua parte
a noite, sua na nuca
a noite, ela me arde

sua melhor noite vivida

há quem busque, na noite, consolo
do céu de estrelas cadentes
das brilhantes que se esvaem
e no azul marinho caem.

há quem busque no sono
o sonho de quem sonha acordado,
esperando que a musa apareça
transformando realidade em beleza.

há quem busque, na noite, a luz
da saída do túnel ao infinito
de problemas infundados
e amores fracassados.

há quem busque, na noite, a morte,
pois nela não há sombra que assuste
e se esgueire entre o próprio peito,
fugindo do consolo da luz e do silêncio.