Escritos Achados e Perdidos

enterrado vivo

a solidão me acompanha
em mais uma taça vazia.
e essas pessoas que vejo
se sentem tão arredias
diante de mim, pobre eu
que nada quero do que tenham.
justo eu! que agora observo,
distante de tudo, o sossego.

minha taça transborda e seca
como a vida do rio que se vai.
eu não tenho nada com elas,
só quero que vivam em paz.
eu sozinha sou chama acesa
e queimo por conta sim.
eu não quero o que lhe pertence
porque é tão pouco pra mim.

o que eu quero é esse segundo
de silêncio que tenho comigo.
eu quero é descobrir o mundo
que está por trás do jazigo
que você insiste em regar
com desprezo diário em castigo.
o que eu quero é poder amar
aquilo que enterrou vivo.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on pinterest
Share on twitter
Share on linkedin

Minha bandeira exposta

Quando ouvi que não chegaria onde cheguei por ser “como pareço”, refleti e constatei: cheguei por ser quem sou.

Manifesto de todo dia

Sempre ouvi dizer que devemos viver Todo dia como se fosse o último.Então, se é pra ser o último, que seja sábado. Sábado é o

Sextou

O brasileiro é apressado. Já reparou? Nem terminaram de servir o banquete. Calma, gente. É cedo demais para escolher um lado. Seja frio, fique tranquilo.