vamos amor

amor, vamos morrer de velhos
de amar esse cotidiano insano
vamos correr feitos crianças
nos corredores dos templos calados
de mãos dadas e olhos fechados
amor, vamos viver o tempo
que ganhamos de brinde apesar da hora
que queixamos o mapa desdobrado
que confunde nossos itinerários
que queremos manter em comunhão
amor, vem pro nosso mundo sem demora
não vivo nem um segundo sem pensar
na eternidade dos instantes com você
que acabam antes de amanhecer
amor, vamos sumir por esse caminho
esconder debaixo da cama nossos desvios
as sacanagens que cometemos em segredo
sem um pingo de vergonha e silêncio
às favas os vizinhos emprestados
amor, vamos fazer tudo de novo
hoje amanhã e nos próximos anos
e lembremos de nós nas próximas vidas
como quem tem déjà vu a cada esquina
amor, vamos esquecer o passado
que é caminho de atraso de vida
o destino vem pela porta da entrada
vem de frente, viagem sem escala
eu pra você, você em mim essa loucura
essa euforia que se chama liberdade
do amor desmedido sem prazo de validade
amor, vamos morrer de amar em vida

One Comment

  1. Intenso.
    A felicidade de simplesmente imaginar é instigante. Quebra a impossibilidade platônica e ao mesmo tempo a intensifica…trazendo aquele sorriso triste de canto de boca.

    Lindo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *