sem teoria

tem dias que me dá preguiça
de ver sempre a mesma coisa
tem dias que a preguiça
toma forma de pavor
tem dias que só fora eu encontro a saída
tem dias que lá fora é furacão
todo dia uma corrida atrás do pão
quando o sim não mostra cara
você tem que engolir o não
todo dia o que sabem é o que se tem
quando o que se é já não faz questão
saltar para amenidades
é aceitar o lado morno da razão
você tem que acordar pra inspirar
uma legião de gente perdida
você tem que levantar a cabeça
só porque faz cara de decidida
quando ninguém vê que o que você é
não é aquilo que faz todos os dias
você é aquilo que sonha escondida
em menos tempo do que gostaria
você não é aquilo que come
nem o que cospe no prato de cada dia
você é aquilo que corre por dentro
e nem chega perto da teoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *