quero

eu quero ao menos que saiba
de tudo que sinto e me escapa
à rotina, à palavra e ao dia
mas não à superfície e à alma.

do sentido que me mostrou e me deu
de presente e colheu em semente
da saliva que ferve e irriga
nossos lábios e olhos e ventre.

quero que reconheça em meu corpo
todas as matizes do mais sincero,
escancarado e descarado desejo,
de quando te vejo depois que te espero.

quero adorar sob medida
quem quer amar por toda a vida
com a incoerência adolescente,
da primeira vista ao inédito de todo dia.

quero que sinta com perfeição
os movimentos que o levam perplexo
aos acidentes por onde caminha,
até pulsar sincopado em excesso.

e finalmente perceba o espaço
que ocupa único constante e vasto
nas entranhas do mundo que sou
sua essência de amor em frasco.

One Comment

  1. 06 Junho 2005

    Ò Mulher…

    Olha p’ra mim.
    Tenta ver-me,
    nos meus olhos.

    Vais ver o meu reflexo a aparecer nos teus.

    Fala comigo.
    Escuta os meus sentimentos,
    ouve quem sou.

    Assim, perceberás sempre o que digo.

    Toca-me, afaga-me o peito.
    Apazigua-me a alma,
    liberta tormentos.

    De todos os momentos da nossa vida, no nosso leito.

    Cheira…
    O odor da minha pele,
    o calor que exalo.

    Nos teus pulmões, nas tuas veias, no teu halo.

    Saboreia o meu sentir.
    Deixa-o fluir,
    por entre os abraços dos nossos sentidos.

    Quando nos estamos a amar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *