prato cheio

com esse todo tanto de querer que tenho,
nada mais adianta do amor voltar.
para cada minuto de café e sossego,
tantos infernos você me fez atravessar.
numa balança injusta onde o peso maior é o da culpa
do insucesso de não fazer o amor vingar,
eu fico com o prato cheio da angústia
de saber que peso maior carrego comigo,
no querer refazer o que por dúvida foi desfeito
e sucumbiu na urgência de querer amar.

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *