paranóia – assemblages de uma mente atormentada

é como se eu estivesse ouvindo
várias conversas paralelas
…e numa dessas conversas ela disse:
– eu poderia ser presidente.

lê.
lê em meus lábios o que quero dizer.
e essas histórias me invadem a cabeça
percorrem o corpo e chegam à ponta dos dedos
como se estivessem represadas
aprisionadas em outras almas
que me habitam.

– mas que inferno! eu quero sair daqui.
mas daqui de onde? de dentro do quê?
– daqui ó.
não, não é a hora em que eu acordo
e vivo feliz para sempre.
“vivo sonhando, sonhando
mil horas sem fim”.

meu amigo, é um pesadelo viver.

4 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *