O óbvio

Chorei.
E chorarei muito ainda
Ao lembrar de que há vida
E houve durante vinte e tantos anos.
Mentiras e parcas verdades
Formando a grande harmonia
Com melodia sem fim.
Chorei.
E chorarei o suficiente
Ao lembrar de que não precisava
Do sofrimento que me foi oferecido
E que fez sofrer outros quarenta e tantos.
Tantas vidas de vida a fio
Que hoje sorriem
E me trazem as palavras de previsão.
Chorei
E chorarei os sete mares
Ao lembrar que não vivi o tudo
E muito há de faltar para o fim
E as previsões de mim saírem
E me voltarem pela mesma via
De uma terceira mão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *