na soleira

na soleira da porta encontrei você sentado
fumando um cigarro parco
e com a barba por fazer.
estava à espera de sua musa
que, por vergonha ou por preguiça,
por um sonho de artista,
por um traço de poeta,
fingiu-se de morta
deixando-o à porta com a boca aberta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *