fio da navalha

velo o que em mim carrego
sem nome ou glória a lacerar.
me abre o ventre com o gládio
e das entranhas há de escapar
o que largaste dentro de mim,
sem saber, teu grande prêmio
em moeda de caridade
castigo ou recompensa.
gero a tua natureza morta
no colo bastardo e cálido,
sobrevivente do fio da navalha.
jaz aqui teu degenerado.

3 Comments

  1. Perseguição

    Fechei a porta da minha casa suavemente e tranquei-a silenciosamente, como se tivesse antecipadamente maquinado o meu desaparecimento, e agora… tenho a impressão de que sou a única testemunha da minha própria ausência…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *