deixa

– vai, deixa ser a sua sina
ser a longa data
pra tão pouca vida
ser o seu costume
dar às suas dores
minha rasa medida

o que custa, vai, deixa
que eu fique e que seja
sempre a que chora
quando vai embora
no cair do dia
que há em toda hora

vai, me deixa por perto
tomar sua essência
não se faça de esperto
não se finja de morto
não te quero santo
nem tente estar certo

– o que tem? vai… fica
sempre ao meu lado
que você seja só minha
sem você não tem graça
meu tempo passa à míngua.
vai, fica em mim, menina.

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *