as horas

paciência sossego e lençol
as horas insistem em me tirar
e riem às custas da saudade
de você que penso em matar

e quando eu só penso em te ver
as horas derretem na parede
fazem hora nas minhas viagens
esticadas em minha rede

quando te encontro e reconheço
na nossa cama, horizonte e calma
pares de beijos em câmera lenta
e a liberdade refém da alma

um passo a frente por um minuto
sessenta vidas pra ter você
um passo a frente por um relógio
de horas sem pernas para correr

passam em branco pelos meus dias
horas que tenho pra não te ter
o relógio anda, mas não adianta
tiro os ponteiros pra gente não ver

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *