a sete chaves

quem vai me pôr os limites
da boca até os ouvidos?
quem vai me fazer parar
encher seu copo de vinho
barato, vidro trincado
com esse amor divino?
barato, vidro trincado
com esse amor excessivo?

não interessa se o vento
sopra a favor do que eu sinto
bastava que me dissesse
que é que eu preciso
pra comprovar que reduto
não passa de um detalhe
quando o que se mantém vivo
é tudo mesmo o que vale.

quem vai me pôr na parede
pra arrancar meus segredos,
que a sete chaves eu guardo
o antídoto desse veneno?
esse amargo que insiste em
amordaçar seus instintos
e te atrofia os músculos
paralisado e faminto.

não diga que já é tarde
pra ter essa hora comigo.
o tempo em nada tem parte
onde fui posta em castigo.
bastava que eu saísse
daqui a qualquer momento,
e te encontrasse nas fendas
que esculpimos no tempo.

* A sete chaves é música de Christiaan Oyens e letra de Lívia Gusmão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *